Casa 19: Assis (brincando de casinha)

A solução para os meus problemas foi que encontrei uma casa meio híbrida: era quase um apartamento ao rés-do-chão. Explico.

Era uma casinha muito pequena, com 2 quartos, sem quintal e totalmente fechada na frente, o que a tornava quase inexpugnável e acalmava meus temores de morar tão pertinho da rua.

A garagem era meio estranha, e eu tinha de fazer umas manobras complicadinhas para entrar e sair com o carro – como acontece em grande parte das garagens de edifícios, não é?

Quem a alugava para mim era um dekassegui, que tinha juntado dinheiro no Japão e, na volta, comprado alguns imóveis para administrar e ter renda.

Enquanto morava ali, descobri que havia um pequeno prédio de apartamentos sendo construído. Fui até lá para investigar e, tendo descoberto qual era a imobiliária que iria administrar algumas das unidades, consegui reservar uma delas para mim. Pronto, havia uma luz no fim do túnel: eu ia poder, em breve, voltar a morar num apartamento de verdade!

Ainda bem que tinha essa perspectiva bem próxima, porque em plenas férias escolares, na estação das chuvas, a casinha foi inundada. Durante uma tempestade de verão, o telhado, defeituoso, não segurou a água… Foi uma encrenca: móveis, roupas, papéis, tudo ficou ensopado… Fui reclamar para o meu senhorio, mas ele não deu muita bola. Ou seja, precisava sair dali o mais rápido possível

Fiquei na casinha menos de um ano.  O apartamento ficou pronto e eu me mudei para lá, com os 2 gatos que tinha adotado nessa época: Dico (quase siamês) e Lelé (quase persa).

Mas isso já é assunto para o próximo post.

 

padregusmoes2

(A casinha segue bem parecida, no Google Street View, apenas um pouco mais gasta)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *