Cecília e eu – parte 1

Decidi começar a contar aqui a longa história que me liga à obra de Cecília Meireles e – por que não? – até mesmo à pessoa da poetisa, embora eu nunca a tenha conhecido pessoalmente. Terei de escrever vários posts para isso, pois tudo começou há 37 anos. E não acabou ainda…
Em 1976, eu era uma adolescente típica, cheia de crises, sem ainda ter sequer escolhido a carreira que gostaria de seguir, mesmo estando já no penúltimo ano daquilo que chamávamos de colegial.
Gostava de música, gostava de literatura e foi assim que um dia, tendo ouvido falar que a letra de “Os inconfidentes”, de Chico Buarque, fora tirada de um poema de Cecília Meireles, fui à biblioteca da escola para encontrar a  fonte.
Conhecia Cecília dos poemas infantis, das crônicas que apareciam nos livros didáticos. Mas nem sequer sabia que ela tinha um livro chamado Romanceiro da Inconfidência. Por isso, pedi à bibliotecária a Obra poética de Cecília Meireles, pensando que não seria difícil encontrar a origem da canção de Chico Buarque.
Lembro-me bem: era a edição de 1967 da Editora Aguilar, volume que tinha sido feito num formato um pouco menor que o habitual. Era quase um livro de bolso.
Por ser uma edição mais cara, não podia ser emprestada. Eu teria de ler ali na biblioteca. E assim comecei a folhear o volume, lendo rapidamente os poemas. Reencontrei “Retrato”, que conhecia mas não me lembrava que era de sua autoria: “Eu não tinha este rosto de hoje / assim calmo, assim triste, assim magro”.
E segui lendo, até que um poema chamado “A última cantiga” praticamente me atropelou, quando cheguei na penúltima estrofe, que dizia “Ainda que sendo tarde e em vão, / perguntarei por que motivo / tudo quanto eu quis de mais vivo / tinha por cima escrito: ‘Não’.” Pronto, tive a exata sensação de que minha vida, até ali, tinha sido resumida em quatro versos!
De repente, tudo o que eu queria ler era a poesia de Cecília. E o livro não podia sair da biblioteca da escola! Passei todos os intervalos e aulas vagas, no resto daquele ano, ali naquele espaço, lendo e copiando poemas, até que o ano acabou e as férias chegaram, fechando a biblioteca.
Não havia livrarias na cidade, mas descobri que a biblioteca municipal tinha livros de e sobre Cecília, que podiam inclusive ser retirados! Foi a minha salvação. Passei as férias na biblioteca e em casa, lendo e copiando poemas num caderno.
Foi nessa altura que decidi que queria fazer Letras, para poder estudar mais aquela autora e aquela obra. Tinha a sensação de ter encontrado alguém que havia escrito tudo aquilo que eu um dia gostaria de ter dito.
No ano seguinte, enquanto seguia lendo Cecília e tentando comprar livros dela, inscrevi-me no vestibular para cursar Letras na Unicamp.
Mas o final daquele ano de 1977 me reservaria ainda algumas surpresas.

  21 comments

    • Ana   •  

      Infalível, né? Ainda mais em se tratando de Cecília!

  1. Anonymous   •  

    Continuaaaa…..
    Mariana Carvalho Gomes

    • Ana   •  

      Tô continuando! 🙂

  2. Anonymous   •  

    Excelente “iniciativa”.
    Acho que a vida de alguns estudantes de Letras (dentre outros cursos) começou assim: nos corredores de uma biblioteca, nas leituras curiosamente curiosas.
    Estou aguardando a continuação ansiosamente.

    • Ana   •  

      Obrigada, volte sempre! 🙂

  3. Anonymous   •  

    Já comprei a poltrona pra ler a história!
    Imaginauta 🙂

    • Ana   •  

      Na primeira fila? 🙂

    • Ana   •  

      Obrigada, Gê! Volte sempre!

  4. Claudio   •  

    Mais um esperando mais.

  5. malu   •  

    aguardando ansiosamente o próximo capítulo.

    • Ana   •  

      Obrigadinha, Malu!

    • Ana   •  

      Pega uma poltrona mais confortável que a novela vai ser longa! 😉

  6. Anonymous   •  

    Oba! Agora quero saber que surpresas ainda reservava 1977! Que emocionante história de leitura! Parabéns, Ana Maria (tomara que tenha mais 659 capítulos!).
    Beijo
    Susana Ventura

    • Ana   •  

      Que bom que você tá gostando, Susana!

  7. Unknown   •  

    Este comentário foi removido pelo autor.

  8. Lourdes Casquete   •  

    Nem respirei, ótimo.

  9. Joy Afonso   •  

    Que lindo! Comprei o “Romanceiro” na minha segunda viagem a Ouro Preto. Fiquei estupefata!! Porém, pena que quando fui sua aluna, não pude ler Cecilia em suas aulas. Entretanto, foi me apresentado o universo da literatura estrangeira, no qual faço carreira hoje ☺️☺️☺️ Arigatou!

    • psiulandia   •     Author

      Eu dava aula de literatura portuguesa, né? 😉

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *