Ela e eu (1)

Claro que eu me lembro de “Carcará”. Não havia quem, naquele ano de 1965, não conhecesse pelo menos o verso “pega, mata e come”, mesmo para uma criança de 5, 6 anos, como era eu naquele momento.

Depois segui ouvindo Maria Bethânia, provavelmente na vitrola de meus primos mais velhos. Mas o impacto seguinte aconteceu quando meu pai começou a comprar os fascículos da História da MPB, da Abril Cultural. No primeiro deles, dedicado a Noel Rosa, estava aquela voz diferente cantando “Três apitos”, acompanhada só por um violão. Havia um momento até em que eu imaginava que ela ria, enquanto cantava os versos “Vou virar guarda-noturno / e você sabe por quê”… Ouvi muitas vezes, quase gastei o disco, que era de um formato intermediário entre o compacto e o LP, com 10 polegadas.

Pouco depois, quando foi lançado o “Drama 3° ato”, comprei o LP com as economias da minha mesada. Foi um divisor de águas, para mim. Ouvi tanto aquele vinil que até minha mãe já sabia de cor as músicas. Um dia me disse que não entendia como eu gostava tanto daquelas músicas que, quando ela era jovem, tocavam no alto-falante do parque de diversões…

Foi com esse disco, também, que aprendi a gostar de Fernando Pessoa, mal sabendo que mais tarde seria professora de literatura portuguesa e até que faria uma tese sobre ele. Sabia de cor o poema 8 de O guardador de rebanhos, que ela declamava ali e que todos os fãs conhecem como o poema do Menino Jesus.

A partir dessa paixão pelo “Drama 3° ato”, pus-me a buscar os discos anteriores. Virei fã de carteirinha. Morava em cidades do interior, como já contei aqui nesta série de posts, então nunca sequer sonhei em ver um show dela ao vivo.

Isso só foi acontecer em 1997, quando eu, morando no Rio de Janeiro, fui assistir, no lendário Canecão, ao show “Imitação da vida”. Chorei do começo ao fim, inclusive porque, sendo um show de revisão da carreira, Bethânia cantava novamente algumas das canções do “Drama 3° ato”, minha primeira paixão. E ainda declamava o mesmo poema do Menino Jesus!

De lá para cá, foram muitos outros shows, mas deixo pra contar num próximo post.

 

  11 comments

  1. Claudio   •  

    Ah….. suas memórias despertaram as minhas, que vi, como você sabe, “Drama” ao vivo e a cores. Porém, como vc, mesmo sendo mais velho que a menina de 5, 6 anos, fui arrebatado por “Carcará”. E meu primeiro show foi “Rosa dos Ventos”…

    • psiulandia   •     Author

      E você sabe que eu morro de inveja disso, né? E não me esqueço de que foi você que me deu o cd de Drama 3. ato, quando ele ainda era uma raridade…

  2. Leila Santos   •  

    Que maravilha ANA!!! Sinto-me honrada em SER sua amiga mesmo que virtual ainda, acho que isso será por pouco TEMPO, as histórias, as sintonias, elas vão se encontrando por obra do DESTINO, bom, não vou falar mais nada, vou esperar o ACASO, só te adianto uma PALAVRA…AMOR!!! Isso é começo, meio e nunca terá FIM.

    • psiulandia   •     Author

      Obrigada, amiga! Certamente nos veremos em algum show da nossa diva!

  3. Sabdra   •  

    Sensacional Ana, tb fiz uma trajetória semelhante e me apaixonei pelo “Drama 3 ato” pra sempre!

  4. Geovane Castro   •  

    Amando demais as histórias. ❤

  5. Lourdes Casquete   •  

    Quantas canções marcantes da nossa MPB, trazidas magistralmente pela nossa grande dama da música! Uma delícia acompanhar os seus posts.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *